Diga-me com quem andas ...

Diga-me com quem andas ...

Por Anderson Albuquerque


O ditado não é recente, mas continua bastante atual. Desde a infância, passando pela adolescência até a fase adulta, o ambiente em que vivemos afeta nosso comportamento e ajuda a diferenciar características que nos identificamos ou rejeitamos em um determinado grupo.

Como afirmou o famoso empreendedor, autor e palestrante motivacional Jim Rohn: “Você é a média das cinco pessoas com que passa mais tempo”. No mundo empresarial, essa afirmação não poderia ser mais adequada. A maioria das pessoas passa mais tempo no trabalho, ao longo de toda sua vida, do que em casa ou em qualquer outro lugar. É preciso, pois, buscar se relacionar com pessoas que agreguem valor a sua vida profissional.

Não se engane: nenhum sucesso é por acaso. Muito menos acontece da noite para o dia. Aliás, neste mundo imediatista em que vivemos hoje, o conceito de sucesso pode abarcar muitas vertentes: o youtuber famoso ganha milhões, a atriz de sucesso da maior rede de televisão brasileira também, mas será que este é o real significado da palavra sucesso?

Muitos acreditam que fama e dinheiro sejam sinônimo de sucesso. Ser rico e famoso não significa, porém, ser bem-sucedido. Isto porque a fama, imensurável que é, é na mesma medida efêmera – assim, tanto ela quanto o dinheiro podem acabar em pouco tempo.

Sucesso está ligado à conquista dos seus objetivos, a descobrir qual é o seu propósito de vida, sua missão, e trilhar o caminho para alcançá-lo. E nem sempre a consequência desta escolha tem como resultado dinheiro e fama, e isso não é um problema.

Em contrapartida, é preciso abandonar o discurso moralista e amplamente disseminado de que a pobreza é uma virtude, enquanto a riqueza é ofensiva, quase um ultraje. Se o caminho que você escolheu trilhar lhe rendeu uma boa estabilidade financeira ou até mesmo um rendimento acima da média, melhor ainda! Mas conheço pessoas bem-sucedidas e satisfeitas com a sua vida que não têm uma renda alta, e outras que são infelizes mesmo que não tenham que se preocupar em como vão pagar as contas do mês.

Ser uma pessoa bem-sucedida diz respeito a ter o controle sobre o que você pode se tornar. A geração de hoje carece de bons referenciais, pois cada vez mais o que é importante na sociedade está se transformando – será que ser bem-sucedido é atingir o modelo ideal estampado na capa da revista: saudável, inteligente, atlético, rico e com uma família perfeita?

É muito mais importante buscar referenciais, e passar tempo com pessoas que você admira e que vão estimulá-lo a se tornar uma pessoa que busca novos desafios, que não fica estagnada. Se você trabalhar numa das maiores empresas do mundo, por exemplo, e seus colegas de trabalho forem acomodados, provavelmente você será “contaminado” pelo seu modo de agir. O “com quem” é, sem dúvida, muito mais relevante do que o “onde”.

Cerque-se de pessoas que estejam alinhadas com o seu mindset – pessoas inteligentes, saudáveis, cativantes e desafiadoras são intrigantes e levarão você não a querer ser exatamente como elas – mas uma versão sempre melhor de você.

 A nossa vida em sociedade tem uma relação direta com as pessoas que nos cercam e os resultados que alcançamos, os sonhos e objetivos que concretizamos. Imagine se Steve Jobs e Steve Wazniak nunca tivessem se conhecido e sonhado com a Apple?

Por isso, se for necessário, esteja aberto a mudanças. Não somente do seu círculo social, mas também demográficas caso seja preciso. Quer ser um estilista de sucesso? Arrisque-se e vá morar em alguma capital da moda, como Nova York, Paris... O essencial é estar cercado de pessoas que estejam sintonizadas com a sua meta, que vão ajudá-lo a conquistar o que almeja.

O segredo para ser bem-sucedido? Escolha o seu caminho, que é único, e tenha consciência de que existirão muitos percalços até que consiga atingir seu objetivo, mas que é justamente essa a beleza da vida. Como diz o outro ditado, não acredite em milagres: tudo que vem fácil vai embora na mesma velocidade.